quinta-feira, 21 de julho de 2011

Combustão Humana Espontânea


Combustão Humana Espontânea (em inglês Spontaneous Human Combustion) é um dito fenômeno no qual o corpo humano queima sem nenhuma fonte de ignição aparente. Dos 200 casos apontados como de combustão espontânea, muitos se baseiam em relatos orais ou possuem grande falta de evidências. Aparentemente, esses fatos vêm ocorrendo durante quase 300 anos.

Os céticos alegam muitas explicações científicas para a combustão: fontes de calor externas, como cigarros; a ignição de gases inflamáveis como o metano dentro do corpo, por ação de enzimas; taxas altas de álcool no sangue; eletricidade estática entre as roupas e o corpo; ou até mesmo relâmpagos. Algumas pessoas também atribuem esse fenômeno a seres paranormais ou a experiências extraterrestres.

Cientistas afirmam que o chamado “Efeito Pavio” pode ser a causa. Essa teoria defende que as roupas da vítima funcionariam como o pavio de uma vela, e seu tecido adiposo seria o combustível. Com as roupas empapadas de gordura, a vítima poderia queimar facilmente. O Efeito Pavio é comprovadamente real, podendo ocorrer em certas condições observadas pelos cientistas. Essa teoria é a mais difundida explicação para a Combustão Humana Espontânea, mas não a única. Uma causa real que explique todos os casos documentados não foi encontrada ainda.


Supostos Casos de Combustão Humana Espontânea:

Phyllis Newcombe: Uma moça de 22 anos chamada Phyllis Newcombe descia as escadas do Shire Hall em Chelmsford, Inglaterra, quando subitamente seu vestido pegou fogo sem causa aparente. Ela correu de volta para o local, onde acabou desmaiando. Apesar de ter sido imediatamente socorrida e levada para o hospital, Phyllis acabou morrendo. Teoriza-se que o vestido dela tenha sido queimado por um cigarro ou fósforo, mas vestígio algum foi encontrado na escadaria.

Robert Francis Bailey: Em 13 de Setembro de 1967, por volta das 5:21 da manhã, um grupo de trabalhadoras notou uma chama azulada saindo da janela de um abrigo para indigentes e ligou para os bombeiros, temendo ser um vazamento de gás. Quando a brigada de bombeiros chegou ao local, encontrou o sem-teto Bailey caído no segundo andar da construção, perto das escadas. Havia um corte longo no seu abdômen do qual saíam chamas azuladas que estavam começando a queimar a escadaria. O fogo foi apagado, mas Bailey já estava morto. A causa de sua morte foi asfixia pelos gases de sua própria combustão. Não havia nenhuma fonte de ignição perto dele, como isqueiros ou fósforos, e Bailey era um não-fumante.

Mary Reeser: Viúva solitária de 68 anos, no dia 2 de julho de 1951 uma vizinha descobriu que a porta da frente da casa de Mary estava quente. Com a ajuda de duas colegas de trabalho, ela entrou na casa, para encontrar Mary sentada em sua poltrona com um enorme círculo negro ao seu redor. Sua cabeça estava tão queimada que havia sido reduzida ao tamanho de uma xícara de chá. As únicas partes intactas de Mary foram um pedaço de sua coluna e outro de seu pé esquerdo. Fora o corpo queimado da senhora, havia pouquíssimas evidências de fogo na casa. A polícia suspeita que um cigarro tenha começado o fogo.

John Irving Bentley: Físico de 92 anos, Bentley foi visto vivo pela última vez por amigos no dia 4 de Dezembro de 1966. No dia seguinte, um rapaz chamado Don Gosnell entrou na casa do idoso para verificar o medidor que se encontrava no porão. Quando entrou no porão, Gosnell sentiu um cheiro estranho e uma leve luz azulada, que o deixou intrigado. Ele subiu as escadas e encontrou o Sr. Bentley na banheira, cercado de fumaça e cremado. Apenas o pedaço inferior da perna do físico, ainda com seu chinelo, estava intacto. A banheira estava seriamente chamuscada, mas fora isso nada no local, inclusive o andador do idoso, que se encontrava a poucos centímetros da banheira, mostrava qualquer sinal de fogo. Gosnell correu para buscar ajuda completamente em choque. A causa da morte foi asfixia e cremação de 90% do corpo. A primeira hipótese levantada foi a de que o idoso pudesse ter queimado devido ao seu cachimbo, descartada após o mesmo ter sido encontrado no quarto ao lado, em cima de um criado-mudo.

Jean Lucille Saffin: 1982, a portadora de necessidades especiais Jean Lucille Saffin irrompeu em chamas na frente de seu pai de 82 anos, em Edmonton, no norte de Londres. De acordo com o Sr. Saffin, ele viu um repentino flash de luz e se virou para a filha, cuja metade superior do corpo estava coberta pelas chamas. Com a ajuda de seu genro Donald Caroll, ele conseguiu apagar as chamas e levar Jean para o hospital, aonde ela veio a falecer uma semana depois devido a suas queimaduras de terceiro grau. Algumas pessoas afirmam que uma brasa do cachimbo do Sr. Saffin pode ter queimado as roupas de Jean. Nada no quarto foi danificado pelas chamas.


Vítimas de Efeito Pavio

Homicídio em Oregon: Em 1991, no estado do Oregon, Estados Unidos, dois andarilhos encontraram o corpo queimado de uma mulher e avisaram as autoridades. A vítima estava acima do peso, e a maior parte de seu torso, parte superior das pernas e braço direito havia sido quase completamente consumida pelas chamas, deixando apenas os ossos. Foram verificadas marcas de facadas em seu peito e costas, e sua pélvis e coluna vertebral tinham sido reduzidas a cinzas. Após esfaquear a mulher, o assassino encharcou seu corpo e roupas com fluido para churrascos, formando uma perfeita situação para o efeito pavio: Um ambiente bem oxigenado, uma ignição inicial, um corpo imóvel e uma boa quantidade de gordura para queimar. Preso, o assassino confessou.

Morte em Geneva: Em 2006, o corpo queimado de um homem foi descoberto em sua casa em Geneva, Suíça. Tudo entre seu peito e joelhos havia sido queimado, tendo a causa do fogo sido possivelmente um ataque cardíaco enquanto fumava. Além do corpo, a cadeira também havia sido totalmente queimada, mas o resto do quarto se encontrava intacto, com apenas um óleo marrom ou uma capa gordurosa. O cachorro do homem também foi encontrado morto, asfixiado devido aos gases da combustão.


Supostos Sobreviventes da Combustão:

Debbie Clark: Em setembro de 1985, Debbie estava voltando para casa quando percebeu um flash de luz azul ocasional. Ela então percebeu que a luz vinha dela mesma, e entrou no jardim para mostrar à mãe. A mãe de Debbie começou a gritar e trouxe a filha para dentro, tirando seus sapatos, e mesmo assim a luz não sumiu, desaparecendo apenas quando Debbie foi colocada debaixo d’água. Segundo Debbie e sua mãe, Dianne, a luz era de um azul-elétrico.

Susan Motteshead: Residente de Chesire, Inglaterra, no inverno de 1980 Susan Motteshead estava em sua cozinha, usando pijamas resistentes ao fogo, quando se viu engolfada por um fogo que rapidamente se extinguiu. A única coisa afetada pelo fogo foi o colarinho de sua roupa. 


Achei algumas fotos da combustão humana ou melhor o que sobrou da combustão.
SE ACHAR MELHOR NÂO VEJA 







 E aí o que você pensa sobre isso?
Ciência ou sobrenatural??