sexta-feira, 15 de julho de 2011

O Vídeo do Mickey que levou homem ao suicídio !





Algum de vocês se lembra dos cartoons do Rato Mickey dos anos 30?  Aqueles que foram colocados em DVD há uns anos atrás? Bem, ouvi dizer que um desses cartoons não foi lançado, nem mesmo para o mais ávido fã dos clássicos da Disney. Segundo algumas fontes, não é nada de especial. É apenas um loop contínuo (como os Flintstones) do Mickey a caminhar ao longo de 6 edifícios durante 2 ou 3 minutos antes de desaparecer. Ao contrário das musiquinhas fofinhas habitualmente colocadas nestes cartoons, a música deste cartoon não é gira de todo. É apenas um "martelar" nas teclas do piano durante 1:30 minutos até passar a "white noise".


Também não aparece o velho Mickey alegre que aprendemos a amar. Neste o Mickey não aparece a dançar, nem mesmo a sorrir. Apenas anda normalmente, com uma expressão facial normal, mas, por alguma razão, a sua cabeça abana para um lado e para o outro enquanto ele anda com um olhar sombrio.
Até há 1 ano ou 2 atrás, toda a gente pensava que depois de o vídeo ficar todo preto (o que acontece 2/3 minutos após o começo), era o fim do vídeo. Quando Leonard Maltin estava a rever o cartoon para ser colocado junto com os outros cartoons nas séries completas, ele decidiu que o vídeo era foleiro de mais para estar no DVD junto com os outros. Porém, Leonard queria ter uma cópia digital devido ao facto de o cartoon ser uma criação de Walt Disney. Quando ele teve a cópia digital no seu computador, ele reparou em algo: Afinal, o vídeo tinha 9:04 minutos.

Relato do Sr. Maltin:

"Depois de o vídeo ficar todo preto, ele permanece assim até ao 6º minuto, até voltar ao Mickey a caminhar. O som tornou-se diferente nesta altura. Era um murmúrio. Não era nenhuma língua, era mais como um choro gorgolejante. À medida que o som ia ficando mais indistinguível e mais alto a cada minuto que passava, a imagem começou a ficar estranha. O passeio começou a ir em direcções que me pareciam impossíveis, baseando-me na física do movimento do andar do Mickey. A expressão sombria da cara do Mickey começava lentamente a tornar-se num sorriso com desdém. Ao 7º minuto, o murmúrio tornou-se num grito de fazer gelar o sangue (o tipo de grito doloroso de ouvir) e a imagem começava a ficar mais obscura. As cores que começaram a aparecer não deviam ser possíveis à data em que o vídeo foi feito. A cara do Mickey começou a desintegrar-se. Os seus olhos caíram até ao seu queixo como dois berlindes presos por um fio de pesca, e o seu sorriso ondulado apontava para cima, no lado esquerdo da sua cara. Os prédios transformaram-se em cascalho flutuando no ar e o passeio continuava a ir em direcções impossíveis."

O Sr. Maltin ficou perturbado e saiu da sala, mandando um empregado acabar de ver o vídeo e tirar notas de tudo o que acontecia até ao último segundo do vídeo, e a seguir guardar imediatamente o disco do cartoon no cofre.

"Os gritos de dor, duraram até ao 8º minuto e uns segundos, e depois, o vídeo muda abruptamente para um plano da cara do Mickey que aparece nos créditos do fim de cada vídeo, com o que parecia ser música de fundo de uma "music box" avariada. Isto durou uns 30 segundos.
Soube por um segurança que estava a trabalhar um piso abaixo de mim, que estava a fazer a ronda do lado de fora da sala onde o empregado estava a ver o vídeo, que o empregado foi aos tropeções, cambalenado,  para fora da sala, completamente pálido, dizendo "O verdadeiro sofrimento não é conhecido" 7 vezes antes de, rapidamente, tirar a pistola do segurança e matar-se ali mesmo."

O que eu consegui "arrancar" de Leonard Maltin foi que o último frame do vídeo era um pedaço de um texto
russo que dizia mais ou menos isto: "as visões do Inferno trazem quem as vê para dentro dele".



Com vocês, o tão falado vídeo... 
dica: assista sozinho e em um local escuro...