sexta-feira, 15 de julho de 2011

A Verdadeira história de horror em Amityville

Dizem que toda casa tem seus segredos. Porém, nenhuma tem tantos quanto uma certa residência em Amityville, no Estado de Nova York, localizada no antigo número 112 da Ocean Avenue. A verdadeira tragédia e os supostos fenômenos que ocorreram nessa casa serviram de inspiração para diversos livros, filmes, programas de rádio, televisão e noticiários. Saiba mais sobre a "mais famosa casa assombrada dos Estados Unidos".
 Na noite do dia 13 de novembro de 1974, Ronald "Butch" DeFeo, de 24 anos, entrou freneticamente pela porta do Henry´s Bar, na pacata cidade de Amityville. Ao chegar no pequeno bar, Ronald disse que alguém havia baleado seus pais. Ele convenceu os frequentadores do estabelecimento a acompanhá-lo de volta a sua casa. Ao chegarem no número 112 da Ocean Avenue, se depararam com uma cena terrível: seis pessoas mortas a tiros, de bruços e com as mãos na cabeça. As seis vítimas foram identificadas como a família de Ronald DeFeo:

* sua mãe e seu pai, Ronald e Louise DeFeo;
* seus irmãos, John, de 9 anos e Mark de 12;
* suas irmãs, Allison, de 13 anos e Dawn de 18.


 Após ser interrogado durante horas pela polícia de Amityville, Ronald DeFeo mudou sua história inicial, afirmando que a Máfia estaria envolvida nos assassinatos, e por fim confessou ter matado sua família. Em seu julgamento, DeFeo alegou que na noite dos crimes, ele teria ouvido vozes que o obrigaram a cometê-los. A certa altura do julgamento, declarou: "sempre que olhava ao meu redor, não via ninguém, então deve ter sido Deus que falava comigo". DeFeo foi condenado a seis penas de prisão perpétua consecutivas na Penitenciária Greenhaven, em Nova York. Sua liberdade condicional foi negada, em 1999.




 No dia 18 de dezembro de 1975, mais de um ano após os assassinatos da família DeFeo, o jovem casal George e Kathy Lutz mudou-se para a casa no número 112 da Ocean Avenue com seus filhos Daniel, de 9 anos, Christopher, de 7 e Missy, de 5. Depois de 28 dias, a família Lutz abandonou a casa, alegando que ela era assombrada.

 A primeira experiência anormal aconteceu quando o casal pediu ao padre e amigo da família, Frank Ralph Pecoraro para que benzesse a casa, enquanto eles realizavam a mudança. Ao andar pela casa, o padre teria ouvido uma grave voz masculina que dizia: "Saiam daqui!". Após a visita, o padre percebeu que seu carro começara a apresentar problemas. O capô levantou-se abruptamente, estilhaçando seu pára-brisa, a porta do passageiro foi aberta, os limpadores de vidro começaram a funcionar sem que ninguém os tivesse acionado e, por fim, seu carro ficou atolado.




 Tempos depois, acontecimentos paranormais semelhantes começaram a acontecer na casa, como portas e janelas que abriam e fechavam abruptamente, vasos sanitários escurecidos, cruxifixos que viravam de cabeça para baixo, enxames de moscas que surgiam sem motivo aparente, e o lodo esverdeado que vertia dos tetos e fechaduras das portas. Além disso, o Sr. Lutz encontrou um quarto secreto no porão, que não aparecia nas plantas da casa. Esse cômodo era pintado de vermelho e cheirava a sangue e ovos podres.

Lutz afirmou ter visto um rosto na parede, o qual mais tarde reconheceria como sendo o de Ronald "Butch" DeFeo. Enquanto moravam na casa, a Sra. Lutz declarou que sentia mãos invisíveis a agarrando e que, numa certa manhã, teria acordado coberta de vergões, como se tivesse sido queimada com ferro quente. O casal declarou ter notado mudanças drásticas na personalidade um do outro e na de seus filhos enquanto viviam na casa. Além disso, a família Lutz afirmou ter visto diversas aparições pela casa, incluindo a de uma pessoa que usava um capuz branco e estava ferida a bala, que assombrava a sala; e a de um porco gigante de olhos vermelhos ofuscantes que aparecia do lado de fora das janelas para espiar o que acontecia dentro da casa. A pequena Lutz costumava dizer a sua família que o porco era o seu amigo "Jodie".


O que há dentro da casa?

Que tipo de força sobrenatural poderia influenciar um homem a assassinar sua família e fazer com que um jovem casal abandonasse sua "casa dos sonhos"? Melhor ainda, por que faria isso?

Uma das lendas conta que havia uma tribo indígena no local que se tornou a cidade de Amityville. Dizem que o local onde a casa número 112 da Ocean Avenue foi construída havia sido usado como uma espécie de isolamento, onde membros da tribo que estivessem doentes ou loucos eram mantidos à mercê da própria morte. Segundo essa crença, os fenômenos estariam relacionados aos espíritos dos indígenas que vagam pelo local. Outra lenda envolve um homem chamado John Ketchum, que fugiu de Salem durante os julgamentos por bruxaria e construiu sua casa no local onde mais tarde seria construída a casa de Amityville. Diz a lenda que Ketchum teria usado sua casa para prosseguir com sua prática de "adoração ao demônio" e teria sacrificado diversos porcos e cães naquele local. De acordo com essa lenda, Ketchum teria aberto uma "porta para o inferno" que nunca mais teria sido fechada, deixando o caminho livre para que demônios fizessem a travessia para o nosso mundo. É claro que existem muitas outras lendas, histórias de que a casa teria sido construída sob um cemitério abandonado e rumores de uma maldição feita por um antigo morador de Amityville, enforcado injustamente.

O livro que causou milhares de gritos

Após deixarem a casa em Amityville, os Lutz entraram em contato com um escritor chamado Jay Anson, que aceitou a difícil tarefa de documentar por escrito o que teria acontecido durante o período em que a família esteve na casa. Em 1977, a editora Prentice Hall publicou o livro com o título "Horror em Amityville" e o classificou como uma "história baseada em fatos reais" e como o "verdadeiro Exorcista". O prefácio do livro dizia:
os nomes de pessoas mencionadas neste livro foram modificados para manter sua privacidade. Porém, os fatos e acontecimentos apurados são estritamente verdadeiros.
 O livro retrata os inúmeros acontecimentos anormais que a família Lutz diz ter presenciado enquanto morava em Amityville. Sua história tornou-se um best-seller nacional, com mais de 3 milhões de cópias vendidas. Ao viajar pelo país para promover o livro, aparecendo em jornais, programas de televisão e rádio, a família Lutz tornou-se conhecida.




O filme
 
 Com o sucesso do livro, não demorou muito para que Hollywood mostrasse interesse por Amityville. Em 1979, James Brolin e Margot Kidder viveram o papel de George e Kathy Lutz na produção de Horror em Amityville para o cinema. Apesar dos boatos de que a equipe de produção teria ficado com medo de realizar o filme no número 112 da Ocean Avenue (na realidade, autoridades da cidade recusaram permissão), o filme pegou carona no sucesso do livro e arrecadou 80 milhões de dólares apenas no lançamento nacional. Para os fãs, o filme inspirou mais três sequências - Amityville II: A Possessão, Amityville 3-D, e um especial para TV Amityville IV: A Maldição.

 Recentemente, Michael Bay (Armageddon) e seus parceiros na Platinum Dunes (reponsável pela refilmagem de Massacre da Serra Elétrica, em 2003) anunciaram seus planos de realizar uma refilmagem do original Horror em Amityville para os estúdios associados MGM e Dimension. O filme traz Ryan Reynolds (Van Wilder) e Melissa George (Dark City, Alias) como George e Kathy Lutz, dirigido por Andrew Douglas. O filme estreou dia 15 de abril de 2005. Diferente do original, a nova versão é mais fiel ao romance de Jay Anson e traz também novos fatos ocorridos na casa, nos últimos 30 anos.

Os céticos - Seria o fim de uma farsa?
 
Enquanto muitos acreditam nos acontecimentos sobrenaturais ocorridos no número 112 da Ocean Avenue, outros insistem que tudo não passou de uma inteligente encenação. Existem contradições em relação ao período em que a família Lutz permaneceu na casa (o livro diz que foram 28 dias, enquanto os vizinhos afirmam terem sido menos de 10). Céticos afirmam que a família Lutz abandonou a casa para se livrar da hipoteca após a falência de seus negócios.

Quanto à alegação de que as forças sobrenaturais fizeram com que Butch DeFeo cometesse o assassinato de sua família, revelou-se que seu advogado, William Weber, o teria convencido a dizer que ouvira "vozes", numa tentativa de alegar insanidade mental. No início, DeFeo teria se recusado a participar de qualquer processo que colocasse sua sanidade em questão, mas, aparentemente, teria concordado após Weber lhe prometer que aquilo poderia resultar num lucrativo negócio após o livro ser publicado. De fato, foi um grupo indicado por William Weber que inicialmente entrou em contato com a família Lutz para discutir sobre um possível livro. Quando a família Lutz, em busca de lucros maiores, desfez o acordo com o grupo de Weber e optou pelo autor Jay Anson, Weber anunciou: "este livro não passa de uma farsa. Inventamos esta história de terror em meio a muitas garrafas de vinho".


Essas afirmações podem ser consideradas como mágoas de um ex-sócio, mas talvez a maior arma no arsenal dos céticos seja o verdadeiro envolvimento e credibilidade do padre Ralph Pecoraro (conhecido no livro como padre Mancuso). Existem muitas contradições entre o que foi relatado no livro de Anson e o que foi dito por George Lutz num processo civil contra Wiliam Weber. A família Lutz realizou uma tentativa de processo contra Weber por invasão de privacidade após este ter publicado artigos sobre os acontecimentos na casa).

Em documentos oficiais, o padre Pecorato admite que não conhecia a família Lutz antes de se mudarem para Amityville e que, de fato, não teria estado na residência da família, mas sim, teria feito contato através de ligações por telefone. Numa carta endereçada ao escritor Ric Osuna, (The Night the DeFeos Died) em 2002, a Diocese Católica declarou:

"a Diocese mantém a afirmação de que a história é um relato falso. Em novembro de 1977, advogados da Diocese prepararam uma lista substancial, que seria enviada à editora que publicara Horror em Amityville de numerosas imprecisões, referências incorretas e falsas declarações relativas aos eventos, de pessoas e acontecimentos que nunca aconteceram".
Estando o padre Pecorato envolvido ou não em uma das maiores farsas sobrenaturais de todos os tempos, ou tendo sido tudo isso uma tentativa de protegê-lo por parte da Igreja Católica, George Lutz afirma até hoje que os fatos aconteceram. E, pelo incontestável sucesso de qualquer coisa relacionada a "Horror em Amityville", muitos estão dispostos a acreditar nele.

Casa de Amityville à venda por um milhão de dólares.



A casa supostamente assombrada da Avenida Ocean 112 que ficou famosa no filme The Amityville Horror de 1979 está à venda em Nova York - os fantasmas não estão incluídos.

A casa de estilo colonial holandês com cinco quartos, entrou no mercado na segunda-feira por US $ 1.15milhões.

Em 1974 seis membros da família DeFeo foram baleados e mortos enquanto dormiam na casa. O assassino foi o filho mais velho, Ronald DeFeo Jr. de 23 anos, que ainda permanece preso, condenado a 25 anos de prisão pelos assassinatos.


                                                    
A prisão de Ronald DeFeo Jr.

O filme é baseado na história de George e Kathleen Lutz que compraram a casa treze meses após os assassinatos por 80 mil dólares, em dezembro de 1975, pensando que seria a casa dos seus sonhos.

Mas o sonho logo se transformou em pesadelo quando fenômenos sobrenaturais começaram a acontecer. Depois de 28 dias terríveis eles fugiram.
                                                    A cena do crime de 1974

O crime gerou um livro e uma série de filmes que narram vários acontecimentos sobrenaturais, incluindo visões das paredes escorrendo lodo, mobiliário que se move sozinho e a visita de um porco demoníaco chamado Jodie.

                                                       James Brolin e Margot Kidder

O filme original foi estrelado por James Brolin e Margot Kidder.
Os vizinhos dizem que a casa é visitada ocasionalmente, principalmente no Halloween. 
 
 Post roubado daqui: http://www.issodamedo.net/