segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Simo Häyhä - A Morte branca

Simo Häyhä tinha uma vida muito monótona na Finlândia, fez 1 ano de serviço obrigatório ao exército e desistiu. Quando a União Soviética invadiu o país em 1939, ele mandou tudo pra puta que pariu se alistou no exército para dar o troco para seus amiguinhos russos.

Com sua camuflagem branca e seu rifle de repetição, ele se escondia nas árvores cobertas de neve e ficava de tocaia para pegar alguns soviéticos desprevenidos, tudo isso entre 20 e 40 graus abaixo de zero.

Ele matou dezenas de pelotões que tentavam invadir sua região. Foi tanta a humilhação que até mandaram um grupo de atiradores de elite para matá-lo. Como de praxe, ele matou todos. Os russos tinham tanto medo dele que chegaram a bombardear cidades para tentar acabar com Hayha, sem sucesso.

Ao longo de 100 dias de guerra Hayha matou impressionantes 542 pessoas com seu rifle, incapacitou mais de 150 e adicionou a contagem mais 163 usando a sua SMG, até que em 6 de março de 1940, tomou um tiro na mandíbula com munição explosiva. A "morte branca", como era apelidado, finalmente parou... Por uma semana!

Ele finalmente acordou depois de 6 dias mesmo com metade da cabeça faltando (como afirmavam os soldados finlandeses). Coincidentemente ele recobrou os sentidos no dia em que a guerra acabou...

Morreu em 2002 de causas naturais.

Simo Häyhä após a guerra